Ticker

6/recent/ticker-posts

Banner

Por que tomar banho gelado pode melhorar o humor e te ajudar a emagrecer

pexels

A ideia de mergulhar em água fria ou tomar um banho gelado pode fazer você tremer — afinal de contas, passar frio não é nada confortável.

Mas você sabia que a ciência indica que tomar banho gelado, ou nadar em águas frias, pode beneficiar sua saúde? 

Existe todo tipo de afirmação sobre benefícios de rotinas que parecem torturas: não bastasse fazer treinos intensos, meditar por uma hora todos os dias, e até mesmo fazer apenas uma refeição por dia (a chamada dieta OMAD ou jejum OMAD)... agora você ainda tem que tomar banho gelado?

Não vamos nos alongar em todos esses pontos — embora você talvez deva considerar que meditar, treinar, e não comer o tempo todo possa fazer bem para você. 

Em vez disso, neste artigo nós vamos entender o que a ciência diz sobre como a água fria pode melhorar a sua saúde física e mental.

Sobre nadar na água gelada e seus benefícios

A pesquisa científica recente trouxe descobertas interessantes sobre os potenciais benefícios de se nadar em água fria. 

Por exemplo, um estudo realizado no Reino Unido em 2020 mostrou que o ato de nadar em nas frias águas do oceano reduziu os sintomas de depressão até dez vezes mais do que o do grupo controle. [1]

(O grupo controle não entrou na água, apenas ficou na praia observando os nadadores.)

Outro caso relatou uma mulher com depressão resistente ao tratamento que encontrou um alívio significativo de seus sintomas depois de nadar em água fria uma vez por semana. [2]

No caso dessa mulher, ela já usava medicações para controle dos sintomas — remédios como fluoxetina e citalopram.

E, após muitas semanas de nado nas águas geladas, ela conseguiu (com apoio médico em todo o processo) abandonar completamente o uso de medicações.

Assim como acontece com muitas pesquisas, existem algumas limitações que valem a pena ser consideradas. 

Por exemplo, muitos dos estudos que já foram feitos consideraram um contexto de  pessoas que nadavam em grupos, em vez de nadadores solitários. 

Isso torna mais difícil afirmar se a melhora no humor vem da água fria em si — ou se vem do aspecto social de nadar e fazer atividades com amigos. 

No entanto, é difícil ignorar a fisiologia humana: existem fenômenos poderosos acontecendo em nosso cérebro quando somos expostos à água fria.

O que acontece com seu corpo quando você se expõe ao frio

Assim que você entra na água fria, o seu corpo tem uma espécie de sobrecarga, com a elevação de hormônios do estresse — como o cortisol e a noradrenalina. 

Isso faz parte do nosso "reflexo de luta ou fuga", que foi desenvolvido ao longo de milhões de anos de evolução, para nos manter seguros em situações perigosas. 

A água fria também desencadeia a liberação de neurotransmissores que nos fazem sentir bem, como endorfina e dopamina, fazendo com que você se sinta nas nuvens.

Nesse aspecto, ela funciona como os exercícios: você talvez não goste dos primeiros minutos, mas geralmente se sente bem após um bom treino.

Sendo que os relatos pessoais confirmam esse efeito. 

Por exemplo, muitas pessoas relatam experimentar uma euforia tranquila após nadar em água fria. 

É provavelmente por isso que alguns médicos — especialmente aqueles familiarizados com os benefícios da atividade física para a saúde mental —  recomendam a natação como um estimulante de humor. 

Ao nadar em água fria, você obtém os benefícios tanto do movimento quanto do frio.

Sem contar que, segundo alguns estudos científicos, você ainda vai ter benefícios de perda de peso e queima de gordura: afinal de contas, talvez você não saiba, mas tomar banho gelado emagrece.

Pensando em tudo isso — emagrecimento, melhora de humor, benefícios de saúde — quão fria tem que ser a água para você ter esses ganhos?

Quão fria deve ser a água?

A boa notícia é que você não precisa mergulhar numa água absolutamente congelante para sentir os benefícios. 

A água abaixo de 15 graus é considerada fria, mas até mesmo a água em torno de 20 graus Celsius ainda pode desencadear alguns efeitos calmantes leves. 

E você nem precisa encontrar um oceano ou lago para ter esses benefícios: a piscina do clube, ou mesmo o chuveiro (ou banheira, caso você tenha uma) de casa já podem trazer os primeiros ganhos.

(Para se habitar, sugerimos a você reduzir gradualmente a temperatura ao longo de uma semana.)

Lembre-se de que qualquer coisa que você fizer já é melhor do que não fazer nada — e já será um passo que você estará dando em direção a sua melhor saúde.

Nadar na água fria: cuidados a tomar

Falamos de vários benefícios até agora.

No entanto, é essencial observar que os mergulhos em água fria não são para todos e que podem apresentar alguns riscos. 

Por exemplo, nadar em água muito fria pode levar a arritmias cardíacas em certos indivíduos, e causar choque pelo frio, o que pode levar a hiperventilação, fadiga e até afogamento. 

Se você deseja experimentar, um simples banho frio pode ser o melhor ponto de partida — antes de sair se inscrevendo numa prova de natação em mar aberto.

Sendo assim, o que podemos concluir sobre banho gelado e água fria?

Que, embora a comunidade científica ainda não tenha dado seu total aval, pesquisas preliminares indicam que a água fria pode de fato ajudar a melhorar o humor e a saúde mental geral. 

E, mesmo que a ciência não tenha todas as respostas, uma coisa é certa: em um dia quente (e tem havido muitos desses no Brasil, e mais outros virão no verão), não há maneira mais rápida de se refrescar e se sentir revigorado do que um banho de água fria.

Nem que seja para se refrescar, vale a pena se banhar.

Referências e estudos científicos

  1. Massey, Heather & Kandala, Ngianga Ii & Davis, Candice & Harper, Mark & Gorczynski, Paul & Denton, Hannah. (2020). Mood and well-being of novice open water swimmers and controls during an introductory outdoor swimming programme: A feasibility study. Journal of Lifestyle Medicine. 1. 10.1002/lim2.12. 

  2. van Tulleken C, Tipton M, Massey H, et al. Open water swimming as a treatment for major depressive disorderCase Reports 2018;2018:bcr-2018-225007.


Postar um comentário

0 Comentários