Pesquisa refuta boato de que o novo coronavírus foi criado em laboratório - Mídia Notícias

Adsense

Últimas

Pesquisa refuta boato de que o novo coronavírus foi criado em laboratório

Agência Gazeta
Você ama teorias da conspiração? Especialmente quando dois grupos de pessoas têm praticamente a mesma teoria um sobre o outro?

Algumas pessoas, incluindo políticos nos Estados Unidos e na China, sugeriram que o novo coronavírus, SARS-CoV2, que está causando a pandemia atual, pode ser uma arma biológica fabricada em laboratório. A única diferença entre as teorias da conspiração é quem está sendo acusado de fabricá-la.

Em um dos lados, norte-americanos sugerem ou, em alguns casos, afirmam abertamente, que a China é responsável pelo desenvolvimento do vírus. Veja, a seguir, o que o senador Tom Cotton tuitou em 30 de janeiro:

We still don’t know where coronavirus originated. Could have been a market, a farm, a food processing company.

I would note that Wuhan has China’s only biosafety level-four super laboratory that works with the world’s most deadly pathogens to include, yes, coronavirus. pic.twitter.com/CtuU2czBLp

— Tom Cotton (@SenTomCotton) January 30, 2020

Tom Cotton diz o seguinte: “Ainda não sabemos de onde o coronavírus originou. Pode ter sido de um mercado, uma fazenda, uma fábrica de processamento de comida. Gostaria de lembrar que Wuhan (China) possui o único super-laboratório de nível 4 chinês, que trabalha com os patógenos mais mortais do mundo, incluindo o coronavírus.”

Em seguida, no dia 22 de fevereiro, o cientista social Steve Mosher publicou um artigo no “New York Post” intitulado “Não compre a história da China: o coronavírus pode ter vazado de um laboratório”. Adivinhe o que Mosher escreveu?

Aliás, Mosher não é um cientista biomédico, mas é o presidente do Instituto de Pesquisa Populacional e autor de um livro chamado “Bully of Asia: Why China’s ‘Dream’ Is the New Threat to World Order” (“O bully Asiático: Por Que o “sonho” da China é a nova ameaça à ordem mundial”, em tradução livre). Então, é provável que ele já não gostasse muito da China.

Mas que evidências Cotton, Mosher e outros forneceram para apoiar essas teorias? Imagens incriminatórias? E-mails suspeitos? Algumas selfies estranhas? Algum tipo de comprovação científica?

Bom, como Cotton disse, existe um laboratório de nível de biossegurança quatro (BSL-4) situado em Wuhan, China, a cidade onde todo o surto começou. Esse laboratório abrigou alguns tipos de coronavírus entre outros patógenos. Sim, essa é a evidência.

Como você provavelmente sabe, a proximidade por si só não deve implicar em culpa. Seria o mesmo que culpar alguém que está próximo de você por um cheiro ruim. Claro, todo mundo tem um intestino, mas isso não significa que o mau cheiro foi causado por aquela pessoa.

Além disso, não é assim tão fácil vazar um vírus em uma instalação BSL-4. As instalações mantêm o mais alto nível de segurança entre os laboratórios, uma vez que trabalham com agentes potencialmente perigosos, como Ebola, febre de Lassa e os vírus de Marburg. Portanto, não é como se as pessoas dentro desses laboratórios estivessem brincando com os vírus e colocando-os nos bolsos. Para ser classificado como BSL-4, o laboratório precisa ter sistemas de ventilação, paredes reforçadas, sistemas de segurança e construção apropriados para manter as coisas ruins dentro e as coisas boas fora.

Mas é incomum ter uma instalação BSL-4 em uma cidade como Wuhan, China? Na verdade não. Já existem pelo menos seis instalações do tipo nos EUA – em Atlanta, Frederick, Galveston, Hamilton e San Antonio. Segundo o site da Federação Americana de Cientistas, outros sete podem estar nos planos, em construção ou possivelmente finalizados em várias cidades, como Boston e Richmond. Esses laboratórios nos EUA também estudam e abrigam uma variedade de patógenos perigosos. Então, novamente, ter um laboratório que estuda patógenos ruins não significa que o laboratório tenha liberado nada.

Para não ficar atrás, alguns chineses fizeram acusações semelhantes, exceto pelo fato de os EUA terem criado o vírus e lançado na China. Veja, a seguir, três tuítes de Zhao Lijian, porta-voz e vice-diretor geral do Departamento de Informações do Ministério das Relações Exteriores da China:

1/2 CDC Director Robert Redfield admitted some Americans who seemingly died from influenza were tested positive for novel #coronavirus in the posthumous diagnosis, during the House Oversight Committee Wednesday. #COVID19 pic.twitter.com/vYNZRFPWo3

— Lijian Zhao 赵立坚 (@zlj517) March 12, 2020

2/2 CDC was caught on the spot. When did patient zero begin in US? How many people are infected? What are the names of the hospitals? It might be US army who brought the epidemic to Wuhan. Be transparent! Make public your data! US owe us an explanation! pic.twitter.com/vYNZRFPWo3

— Lijian Zhao 赵立坚 (@zlj517) March 12, 2020

This article is very much important to each and every one of us. Please read and retweet it. COVID-19: Further Evidence that the Virus Originated in the US. https://t.co/LPanIo40MR

— Lijian Zhao 赵立坚 (@zlj517) March 13, 2020

Na sequência de publicações, Lijian Zhao diz o seguinte: “O diretor Robert Redfield admitiu que alguns americanos que aparentemente morreram de gripe foram testados positivos para o novo #coronavírus no diagnóstico póstumo, durante o Comitê de Supervisão da Câmara na quarta-feira. Quando o paciente zero começou nos EUA? Quantas pessoas estão infectadas? Quais são os nomes dos hospitais? Pode ser o exército dos EUA que trouxe a epidemia para Wuhan. Sejam transparentem! Tornem públicos seus dados! Os Estados Unidos nos devem uma explicação!”

Em seguida, Zhao mostra o link de um estudo e afirma: “Este artigo é muito importante para todos e cada um de nós. Por favor, leia e repasse. COVID-19: Mais evidências de que o vírus se originou nos EUA.”

Sim, a alegação é de que os EUA lançaram um vírus na China para que o país sofresse as consequências com a disseminação apenas alguns meses depois. Mas onde está a evidência real de que os militares dos EUA criaram o SARS-CoV2?

O diálogo continuou com o presidente Donald Trump, que se referiu ao SARS-CoV2 como o “vírus chinês”, como pode ser visto a seguir:

Cuomo wants “all states to be treated the same.” But all states aren’t the same. Some are being hit hard by the Chinese Virus, some are being hit practically not at all. New York is a very big “hotspot”, West Virginia has, thus far, zero cases. Andrew, keep politics out of it….

— Donald J. Trump (@realDonaldTrump) March 17, 2020

Donald Trump afirma: “Cuomo quer que “todos os estados sejam tratados da mesma forma”. Mas todos os estados não são os mesmos. Alguns estão sendo atingidos com força pelo vírus chinês, outros praticamente não são atingidos. Nova York é um grande ponto de acesso, até o momento, a Virgínia Ocidental tem zero casos. Andrew, mantenha a política fora disso …”

Quando questionado por que ele estava usando esse rótulo em vez do nome científico real do vírus, Trump afirmou que foi em resposta à alegação de que os militares dos EUA haviam criado a ameaça. O vídeo que acompanha o seguinte tuíte mostra isso:

President Trump asked about his use of the phrase “Chinese Virus”:

REPORTER: “Critics say that using that phrase creates a stigma.”

TRUMP: “No, I don’t think so. I think saying that our military gave it to them creates a stigma.”

pic.twitter.com/b2yn5ubJEh

— Benny (@bennyjohnson) March 17, 2020

O presidente Trump, quando perguntado sobre o uso da expressão “Vírus chinês”:

REPÓRTER: “Os críticos dizem que usar essa frase cria um estigma”.

TRUMP: “Não, acho que não. Eu acho que dizer que nossos militares deram a eles cria um estigma.”

Vai e volta. Vai e volta. Vai e volta.

Portanto, parece que os teóricos da conspiração de ambos os lados não forneceram nenhuma evidência convincente de que o SARS-CoV2 foi produzido em um laboratório, esteja ele nos EUA, na China ou na Escola de Magia e Bruxaria de Hogwarts.

De fato, não há apenas uma falta de evidências que apóiam essas teorias da conspiração, como também crescem fortes evidências científicas contra as duas. Os cientistas (aqueles que estão realmente tentando descobrir a verdade e resolver um problema, em vez de culpar as pessoas) vêm realizando análises genéticas para determinar de onde o vírus veio e como ele acabou infectando os seres humanos. Os vírus não são exatamente como as pessoas (pois não parecem ter sentimentos ou espalhar boatos), mas possuem material genético como humanos, exceto pelo fato de ser menos complexo. No entanto, como os humanos, os vírus ainda transmitem esses materiais quando se replicam e evoluem. Não é tão simples quanto um programa de TV que usa testes genéticos para descobrir se um homem é o verdadeiro pai de alguém, mas os cientistas podem usar análises genéticas mais avançadas para descobrir as origens, a “árvore genealógica” do SARS-CoV2.

De fato, fortes pistas já haviam surgido em 26 de fevereiro de 2020, quando um estudo foi publicada no “New England Journal of Medicine”. Na peça, David M. Morens, M.D., e Peter Daszak, Ph.D. do Instituto Nacional de Saúde (NIH), e Jeffery K. Taubenberger, M.D. e Ph.D., escreveram: “Certamente os cientistas nos dizem que o SARS-CoV-2 não escapou de um frasco: as sequências de RNA se assemelham às dos vírus que circulam silenciosamente nos morcegos, e as informações epidemiológicas implicam que um vírus de origem do morcego infecte espécies animais não identificadas vendidas em mercados de animais vivos da China. ”

Este não era exatamente um caso de mesma bat-transmissão, mesmo bat-horário. Mas o primeiro e mais mortal vírus da SARS pareceu causar o surto de 2002-2003, depois que ele conseguiu pular de morcegos para humanos por meio de hospedeiros intermediários, como civetas de palma mascaradas (mamífero comum na Ásia e África). Sim, alguns seres mascarados podem, inadvertidamente, ter ajudado a levar o vírus da SARS original aos seres humanos. Portanto, não seria muito surpreendente se algo assim acontecesse novamente com o SARS-CoV2.

Ainda mais evidências de uma origem natural e não feita pelo homem para a SARS-CoV2 emergiram de um estudo descrito em uma carta de pesquisa publicada recentemente na revista médica “Nature Medicine”. Na carta, uma equipe de pesquisa (Kristian G. Andersen, do Instituto de Pesquisa Scripps; Andrew Rambaut, da Universidade de Edimburgo; W. Ian Lipkin, da Escola de Saúde Pública Mailman da Universidade de Columbia; Edward C. Holmes, da Universidade de Sydney; e Robert F. Garry, da Universidade de Tulane) descreveram como haviam analisado as sequências genéticas que codificam os picos de proteína na superfície do SARS-CoV2. O vírus parece uma maçã medieval com vários espinhos saindo de sua forma esférica. Esses espinhos não são enfeite, já que vírus os utiliza para se prender a uma célula que deseja invadir e depois entrar nela.

Aparentemente, partes desses “espinhos de proteína” são tão eficazes no direcionamento de receptores específicos nas células humanas que é difícil imaginar humanos fabricando-os – pelo menos não com a tecnologia existente atualmente. Os pesquisadores concluíram que esse recurso e, portanto, o novo coronavírus, só poderia ter evoluído naturalmente ao longo do tempo. Os seres humanos podem fazer coisas úteis, como aplicativos de compartilhamento de viagens, mas ainda somos bastante insignificantes em comparação com a natureza quando se trata de criar coisas como vírus.

De fato, a equipe de pesquisa descobriu que a estrutura do SARS-CoV-2 em geral é bem diferente de algo que os humanos provavelmente inventariam. Se um humano quisesse criar uma arma viral, ele teria começado com a estrutura de um vírus que já é conhecido por causar doenças nas pessoas. Naturalmente, se você deseja fabricar uma arma, pode começar com algo como um lançador de granadas, em vez de uma máquina de smoothies. A estrutura do SARS-CoV2 é bastante semelhante à dos vírus conhecidos por infectar morcegos e pangolins (mamíferos que vivem em zonas tropicais da Ásia e da África).

Então, tudo isso apoia a teoria de que o vírus pulou de morcegos para humanos por meio de algum animal intermediário. Isso não significa necessariamente que o vírus começou a causar problemas assim que começou a infectar seres humanos. Uma possibilidade alternativa é que ele tenha infectado humanos há mais tempo e permaneceu entre nós por um período antes de evoluir para seu estado problemático atual. Essa última possibilidade seria um pouco análoga a convidar alguém para morar com você porque, inicialmente, ela parecia relativamente inofensiva, mas, com o tempo, você descobriu que esse colega de apartamento se tornou um terror.

Os resultados das análises genéticas são consistentes com o comportamento do SARS-CoV2 atualmente. O vírus não está agindo como uma arma biológica no momento. As melhores armas biológicas matam a uma taxa muito mais alta e podem ser prontamente transportadas e liberadas. Imagine ser informado de que uma arma biológica pode levar a vida de 1% a 3,4% das pessoas infectadas, mas você não sabe exatamente quais. A diferença entre o SARS-CoV2 e patógenos como o Ebola ou Antraz é como a diferença entre um monte de sofás e uma coleção de mísseis. Certamente, o primeiro pode causar danos, mas não de maneira previsível e consistente. Se alguém realmente decidiu desenvolver o SARS-CoV2 como uma arma biológica, essa pessoa precisa encontrar um novo emprego.

Então a evidência científica superou as teorias da conspiração. Mas todas essas descobertas científicas finalmente podem anular a retórica do “vírus foi feito em laboratório e a culpa é sua” entre os políticos e as mídias sociais? Provavelmente não. Mas talvez faça com que mais pessoas se concentrem no assunto muito mais importante, como a tentativa de controlar essa pandemia juntos.

Fonte: Forbes Brasil - MSN

Nenhum comentário